Reconstrução de Site com sistema de E-commerce completo para Empresa do Ramo Farmaceutico
Empresa Farmácia Prímula

Também foi desenvolvido:
Sistema de Curricúlo - Trabalhe conosco
Sistema de Solicitação de Receita On-Line
Sistema de Blog e Notícias

Publicado em Sites
Quarta, 14 Agosto 2013 15:15

E-commerce Explicado

Compartilho com vocês algumas perguntas que a jornalista Simone Bertuzzi fez comigo para criar uma notícia para o site Added.
A matéria foi editada, mas resolvi publicar aqui também, para compartilhar os conteúdos. Até porque levei 2 horas pra formular as respostas hehehe.

O conteúdo é sobre segurança em comércio-eletrônico e algumas definições bem interessantes destas novas disciplinas.

Facilitar e proporcionar a melhora da interação entre os sistemas de e-commerce e o consumidor, diante das atualizações nos modelos de negócio, como o das compras coletivas. Também aumentar a segurança no uso de aplicações web, já que muitos ainda tem receio de perdas de dados.

2 – Qual a diferença entre gateway de pagamento e intermediário de pagamento? Que tipos de gateways você indica para pequenas e médias empresas?
Um gateway de pagamento é um sistema que provém uma integração entre provedores de cartões de crédito (Visa, Mastercard…) à lojas virtuais ou sistemas, cabendo ao proprietário da loja efetuar contrato com cada provedor. O valor da transação não passa pelo gateway, o qual facilita e garante a seguridade dos dados transmitidos. Ex.: BPag, Cobre Direto, Gateway Locaweb, IPAGARE, Braspag.

Já um intermediário de pagamento é uma forma de integração com meios de pagamento aonde as transações da loja são feitas ao intermediador, que depois de um período ( geralmente 1-2 semanas ) repassa ao proprietário da loja.

É mais simples de integrar e não exige contrato com cada provedor de cartão, porém as tarifas cobradas são por porcentagem e tipo de transação ( boleto, cartão, transferência bancária ).

3 – Como evitar fraudes?
Ter o controle sobre cada transação feita na loja virtual, só enviando a mercadoria somente se tiver certeza de que é um consumidor real. Facilita também, no caso de utilizar um gateway, ter uma integração com empresas que já fazem este serviço como a ClearSale ou FControl.

4 – Qual é o erro grave mais óbvio, mas que muitas empresas insistem em cometer com comércio eletrônico?
Infelizmente a idéia de que a loja virtual se “vende sozinha”, bastando cadastrar os produtos, configurar a forma de entrega e pagamento.
Uma loja virtual pode e deve ser considerada como uma nova filial da empresa, com todos os recursos necessários para a manutenção e divulgação.

5 – Quando uma loja virtual pode ser considerada totalmente otimizada?
Uma loja em otimização seria aquela que mantém constante atualização, melhora da qualidade dos serviços, divulgação de novos produtos e obtenção de novos clientes.

6 – Qual é a melhor maneira, na sua opinião, das lojas virtuais se tornarem presentes nas redes sociais?
Além de contar com o trabalho de profissionais especializados, seria se aproveitar da mídia social como mais um canal de feedback com o cliente e divulgação da confiabilidade da empresa.

7 – Quais são suas dicas para os lojistas virtuais convencerem o consumidor a comprar seus produtos?
Deixar bem claro ao consumidor da missão e seriedade da empresa e qualidade dos produtos. Transparência de preços, prazos, tarifas e política da empresa são formas de convencimento.

8 – Como é vista a questão da credibilidade e segurança dos dados pelos consumidores?
Dados sobre a certificação e opiniões/reclamações de outros consumidores, fornecidos por empresas como E-bit e Reclame Aqui aumentam e muito a credibilidade. Já a segurança, a nível de tecnologia, pode ser melhorada com a obtenção de certificado seguro ou SSL para a loja, aonde a troca de dados entre loja e consumidor são criptografados. Mas segurança e credibilidade estão ligados diretamente à confiança do consumidor perante a loja.

9 – Quais tendências e oportunidades para os empreendedores que queiram vender pela internet?
Algumas tendências que surgiram e que ainda são fortes: Social E-commerce (basicamente amigos em redes sociais indicando a compra de produtos virtuais), Compra coletiva segmentada (compra de um produto ou serviço focado em uma área de produtos, como cosméticos ou eletrônicos).

Já a oportunidade está ligada ao momento certo, investimento correto, nicho de mercado certo, enfim “aquela ideia boa que você sabe que dará certo”.

:)

Original author: Luiz Felipe
Fone: http://loja.weber.eti.br/blog/entry/e-commerce-explicado-entrevista-sobre-e-commerce-.html

Publicado em Blog Graphos
Segunda, 12 Agosto 2013 02:44

E-Commerce Primula

Sistema de E-Commerce Completo para Farmácia Primula

Publicado em Sites
Sexta, 09 Agosto 2013 15:17

E-Commerce Naya Girls

Construção de Site com CMS e Virtuemart para empresa de Confecção

Publicado em Sites

Agende uma visita através dos contatos abaixo:

CNPJ: 00650406/0001-10
Envie sua mensagem, aqui

Fone: 11 4555 6588

Ajude-nos a manter o serviço de Download Free com mais novidades para todos!

Temos 36 visitantes e Nenhum membro online


Solicite informações ou orçamento através de nosso formulário.
Clique aqui

Quem está on line

Temos 36 visitantes e Nenhum membro online

Contato

Agende uma visita através dos contatos abaixo:

CNPJ: 00650406/0001-10
Envie sua mensagem, aqui

Fone: 11 4555 6588